02-01-2023 | Ações

Crónica: Uma conversa na Vilarinha

Uma crónica de  Andreia Azevedo Soares (Jornalista)

Quem diria que uma conversa sobre inclusão, realizada num feriado chuvoso, poderia reunir algumas dezenas de pessoas? Foi precisamente o que ocorreu no passado dia 8 de Dezembro, na Escola da Vilarinha, no Porto, quando cerca de 35 membros da comunidade (incluindo pais e professores) estiveram presentes na biblioteca escolar para ouvir (e interagir com) três profissionais que, todos os dias, trabalham com a diferença: a técnica de educação especial Inês Cabrita, o pedopsiquiatra João Guerra e o co-fundador da MEERU Nicolau Osório. Se pensarmos que esse mesmo feriado calhava numa quinta-feira, um dia que parecia mesmo pedir uma ponte, esta adesão sugere que há ali um núcleo de pessoas interessadas num tema que não é fácil nem consensual.

E por que é tão difícil falar em inclusão? Há várias razões, mas arrisco enunciar duas delas: incluir dá trabalho e não interessa a todos. Incluir pode implicar fazer ajustes e adaptações. E, nesta sociedade veloz, queremos ser rápidos, eficientes e competitivos. Incluir muitas vezes significa fazer diferente e até melhor, escolher um caminho mais longo, mas mais rico. E também pode significar fazer esforços que dão frutos às vezes sim, às vezes não. Incluir não é uma ciência exacta, nem um manto mágico que, de repente, cai sobre um grupo de pessoas e o transforma numa comunidade harmoniosa e singela. Não é assim que funciona. Incluir é um processo. E, como em todas as relações humanas, essa construção não é isenta de asperezas, dificuldades, não-ditos e incompreensões. Pode conter dor também. Mas também momentos jubilosos.

Aquilo que os três especialistas em inclusão partilharam connosco naquela manhã formidável de 8 de Dezembro foi (não só mas também) isto: a inclusão não é um caminho necessariamente fácil, não se faz num dia, exige cooperação de várias partes mas também oferece vantagens únicas. Apenas um exemplo: crianças típicas que crescem com colegas com diferenças podem sofisticar competências sociais como a tolerância, a negociação e a diplomacia. Muito mais exemplos e ideias foram partilhados pela Inês, pelo João e pelo Nuno, e também pela comunidade, que colocou questões interessantes e partilhou histórias.

Espero que este encontro tão bem organizado pela associação de pais (APEVI) seja apenas o primeiro de outros eventos que ajudem a solidificar o caminho de inclusão que já está a ser construído na Vilarinha.

*Nota da APEVI: Para que os pais pudessem participar nesta conversa, organizamos no polivalente uma actividade dirigida para crianças leituras encenadas) dinamizadas por RIta Costa.

Outras Notícias

NOTÍCIAS

Espelho Meu!: A Vilarinha foi ao Teatro Sá da Bandeira

Espelho Meu!: A Vilarinha foi ao Teatro Sá da Bandeira

No dia 5 de dezembro de 2022, o Agrupamento de Escolas Manoel de Oliveira proporcionou uma manhã...

read more
CAMPO DE FÉRIAS DE NATAL DE RAMALDE

CAMPO DE FÉRIAS DE NATAL DE RAMALDE

INSCRIÇÕES ABERTAS 𝗔𝘁𝗶𝘃𝗶𝗱𝗮𝗱𝗲𝘀 𝗱𝗲 𝗙𝗲́𝗿𝗶𝗮𝘀 𝗱𝗲 𝗡𝗮𝘁𝗮𝗹 𝟮𝟬𝟮𝟮 𝗟𝗶𝗻𝗸 𝗱𝗲 𝗜𝗻𝘀𝗰𝗿𝗶𝗰̧𝗮̃𝗼:...

read more

AINDA NÃO É SÓCIO?

10€ / ano*
*independentemente do número de educandos

 Junte-se a esta causa. Pelos seus filhos.

Inscrever / Renovar